Portal Ecclesia
A Igreja Ortodoxa Atualizações e notícias Seleção de textos Subsidios homiléticos para Domingos e Grandes Festas Calendário litúrgico bizantino Galeria de Fotos Seleção de ícones bizantinos Clique aqui para enviar-nos seu pedido de oração Links relacionados Clique para deixar sua mensagem em nosso livro de visitas Contate-nos
 
 
Loading
Biblioteca Ecclesia
 
 
 

Ata do Sínodo de Constantinopla (754)

O chamado «Falso Sínodo de Constantionopla», convocado por Constantino V durante a controvérsia iconoclasta e realizado em Hieria, do outro lado do Bósforo, em frente à capital imperial.

(Trad: Profa. Dra. Andréia Cristina Lopes Frazão da Silva)
(Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ)

santo e ecumênico sínodo que, pela graça de Deus e comandado pelos mais piedosos imperadores amados de Deus e ortodoxos, Constantino e Leão, agora reunido na cidade residencial imperial, no templo da santa e inviolada Mãe de Deus e Virgem Maria, apelidada em Blachernae, decretou o que se segue.

Satanás desencaminhou os homens, de forma que eles adoram a criatura ao invés do Criador. A lei Mosaica e os profetas cooperaram para desfazer esta ruína; mas para salvar o gênero humano completamente, Deus enviou o Seu próprio Filho que nos desviou para longe do erro e da adoração de ídolos, e nos ensinou a adorar a Deus em espírito e em verdade.

Como mensageiros de Sua doutrina salvadora, ele nos deixou os Apóstolos e discípulos, e estes adornaram a Igreja, a Noiva de Cristo, com as Suas doutrinas gloriosas. Este ornamento da Igreja tem sido preservado inviolado pelos santos Pais e os seis Concílios Ecumênicos. Mas, o antes mencionado demiurgo da maldade não pode suportar a visão deste adorno, e gradualmente trouxe de volta a idolatria sob a aparência de Cristianismo.

Então, como Cristo armou os Apóstolos contra a idolatria antiga com o poder do Espírito Santo, e os enviou por todo o mundo, assim ele despertou contra a nova idolatria os seus servos, nossos fiéis Imperadores, e os dotou da mesma sabedoria do Espírito Santo.

Impelidos pelo Espírito Santo, eles não puderam mais ser testemunhas da devassidão em que é posta a Igreja pelo engano dos demônios, e convocaram a assembléia santificada dos bispos amados de Deus para que realizassem um sínodo para um exame das escrituras sobre os coloridos e enganosos quadros (omoiwmatwn) que tiram o espírito de homem da alta adoração (latreias) de Deus para a baixa e material adoração (latreian) da criatura, e que eles, sob a direção divina, pudessem expressar a sua visão sobre o assunto.

Nosso santo sínodo reuniu-se, então, e nós, seus 338 membros, seguindo os decretos conciliares mais antigos, aceitando e proclamando alegremente os dogmas passados, principalmente os dos seis santos Concílios Ecumênicos...

Depois que nós havíamos examinado os decretos cuidadosamente, debaixo da direção do Espírito Santo, nós concluímos que a arte ilícita de pintar criaturas viventes blasfema a doutrina fundamental de nossa salvação, isto é, a Encarnação de Cristo, e contradiz os seis sínodos santos. Estes condenaram a Nestório porque ele dividiu o Filho e o Logos de Deus em dois filhos, e por outro lado, a Ário, Dioscoro, Eutiquio, e Severo, porque eles sustentaram a mistura das duas naturezas do Cristo uno.

Portanto, nós pensamos ser direito, para anunciar com toda a precisão, em nossa presente definição o erro de quem fabrica e venera imagens, porque é a doutrina unânime de todos os santos Pais e dos seis Sínodos Ecumênicos, que ninguém pode imaginar qualquer tipo de separação ou mistura em oposição a união indizível, impenetrável e incompreensível, das duas naturezas no hypostasis ou pessoa. O que ajuda, então, a loucura do pintor que com o pecador amor de lucro representa o que não deveria ser representado, quer dizer, com as mãos poluídas ele tenta formar o que só deveria ser acreditado no coração e deveria ser confessado com a boca? Ele faz uma imagem e a chama de Cristo.

O nome Cristo significa Deus e homem. Por conseguinte, é uma imagem de Deus e homem, e portanto, na sua mente tola, na sua representação da carne criada, representou a divindade que não pode ser representada, e assim misturou o que não deveria ser misturado. Assim ele é culpado de uma dupla blasfêmia: por fazer uma imagem da Divindade, e por misturar a natureza humana com a divina. Caem nesta mesma blasfêmia todos os que veneram as imagens, e a mesma aflição descansa em ambos, porque eles erram como Ário, Dioscoro, e Eutiquio, e com a heresia do Acephali.

Porém, quando eles são culpados por representar a natureza divina de Cristo que não deveria ser representada, eles tomam refúgio na desculpa: "Nós representamos só a carne de Cristo que nós vimos e tocamos". Mas isso é um erro de Nestório. Porque deveria ser considerado que aquela carne também era a carne do Logos de Deus, sem qualquer separação, perfeitamente assumida pela natureza divina e fez divino completamente. Como poderia ser dividido agora e representado separadamente?

Assim é isto que deseja a alma humana de Cristo que está entre a divindade do Filho e o enfado da carne. Como a carne humana é, ao mesmo tempo, carne do Logos de Deus, assim também é a alma humana é alma do Logos de Deus, e ambos ao mesmo tempo, a alma é divinizada como também o corpo, e a divindade permaneceu indivisível até mesmo na separação da alma do corpo na paixão voluntária dele.

Para onde a alma de Cristo for, também estará sua natureza divina; e onde o corpo de Cristo estiver, também estará a sua divindade. Se, na Paixão, a divindade permaneceu inseparável d´Ele, como os tolos se aventuram a separar a carne da divindade, e representam, por si só, como a imagem de um mero homem? Eles caem no abismo de impiedade, quando separam a carne da divindade, representando-a como uma subsistência inspirada em si próprios, em suas personalidades e, assim, acrescentam uma quarta pessoa na Trindade.

Além disso, eles representam como não sendo feito divino, o que foi feito divino sendo assumido pela divindade. Quem, então, faz uma imagem de Cristo, representa a divindade que não pode ser representada, e a mistura com a natureza humana (como os Monofisistas), ou ele representa o corpo de Cristo como se este não fora divino e separado, como uma pessoa à parte, como os Nestorianos.

A única figura admissível da humanidade de Cristo, porém, é pão e o vinho na Ceia santa (Eucaristia). Isto e nenhuma outra forma, isto e nenhum outro tipo, Ele escolheu para representar a Sua encarnação. O Pão ele ordenou para ser trazido, mas não como uma representação da forma humana, de forma que a idolatria poderia surgir. E como o corpo de Cristo é também divino, também esta figura do corpo de Cristo, o pão, é feita divina pelo descida do Espírito Santo; se torna o corpo divino de Cristo pela mediação do padre que, separando a oblação do que é comum, o santifica.

O mau costume de nomear as imagens não provém de Cristo, dos Apóstolos ou dos santos Pais; nem estes deixaram qualquer oração pela qual uma imagem deveria ser consagrada ou deveria ser feita qualquer outra coisa que assunto ordinário.

Porém, se alguns dizem, nós poderíamos ter razão com respeito às imagens de Cristo, por causa da união misteriosa das duas naturezas, mas não há razão para também proibir completamente as imagens da Mãe imaculada e sempre-gloriosa de Deus, dos profetas, apóstolos e mártires que eram meros homens e não se constituíam de duas naturezas; nós podemos responder, em primeiro lugar: Se esses já se foram, já não se precisa destes. Mas nós também consideraremos o que pode ser dito em particular contra isto.

O Cristianismo rejeitou todas as práticas pagãs, não só os sacrifícios, mas também a adoração pagã de imagens. Os Santos se mantêm vivos eternamente com Deus, embora eles tenham morrido. Se qualquer um pensa em os chamar novamente a vida através de uma arte morta, descoberta pelo pagão, ele se faz culpado de blasfêmia. Quem ousa tentar, com esta arte bruta, pintar a Mãe de Deus, que é exaltada acima de tudo no céu, e os Santos? Não é permitido aos cristãos, que têm a esperança da ressurreição, imitar os costumes dos adoradores de demônios e insultar os Santos que brilham em tão grande glória.

Além disso, nós podemos provar nosso ponto de vista através da Sagrada Escritura e os Pais da Igreja. Na Bíblia está escrito: "Deus é um Espírito: e importa que os que o adorem, o adorem em espírito e em verdade"; e: "Não faça para ti nenhuma imagem de escultura, semelhante a qualquer coisa que está no céu, sob ou debaixo da terra"; Deus falou aos Israelitas no Monte, do meio do fogo, mas não lhes mostrou nenhuma imagem. Mais adiante: "Eles mudaram a glória do Deus incorruptível em uma imagem feita pelo homem com material corruptível,... e serviram a criatura mais que ao Criador"... O mesmo também é ensinado pelos santos Pais...

Apoiado nas Sagradas Escrituras e nos Pais, nós declaramos por unanimidade, no nome da Santa Trindade, que serão amaldiçoados, rejeitados e removidos das Igrejas Cristãs todas as imagens que são feitas de qualquer material e cor pela arte má de pintores.

Quem, no futuro, ousar fazer tal coisa, ou venerar uma imagem, ou colocá-la em uma igreja, ou em uma casa privada, ou que a possuir em segredo, deve, se bispo, presbítero, ou diácono, ser deposto; se monge ou leigo, seja excomungado, e fique sujeito a ser julgado pelas leis seculares como um adversário de Deus e um inimigo das doutrinas elaboradas pelos Pais. Ao mesmo tempo nós ordenamos que nenhum titular de uma igreja aventurará, sob o pretexto de destruir o erro com respeito às imagens, pôr as mãos nas vasilhas santas para as alterar porque elas estão adornadas com figuras.

O mesmo é instituído com respeito aos vestuários de igrejas, panos, e tudo aquilo é dedicado ao serviço divino. Porém, se o titular de uma igreja deseja ter tais vasilhas e vestuários alterado, ele só poderá fazer isto com o consentimento do santo patriarca Ecumênico e sob a licença de nossos Imperadores piedosos. Nenhum príncipe ou funcionário secular roubará as igrejas, como alguns fizeram em tempos anteriores, sob o pretexto de destruir imagens.

Tudo isso nós ordenamos e cremos que nós falamos com o Dom dos Apóstolos, porque nós também acreditamos que nós temos o espírito de Cristo; e como nossos predecessores que creram no que declararam e definiram nos sínodos, nós também acreditamos e fazemos o que falamos e elaboramos alguns princípios que nos pareceram bons para serem seguidos conforme os princípios de nossos Pais...

Os divinos reis Constantino e Leão disseram: Deixe o sínodo santo e ecumênico dizer, se com o consentimento de todos os bispos mais santos, se a definição, há pouco lida, será aprovada.

O sínodo santo clamou: Assim todos nós acreditamos, todos nós somos da mesma mente. Nós aprovamos tudo com uma voz e voluntariamente subscrevemos. Esta é a fé dos Apóstolos. Muitos anos para os Imperadores! Eles são a luz da ortodoxia! Muitos anos para os Imperadores ortodoxos! Deus conserve seu Império! Vocês proclamaram agora mais firmemente a inseparabilidade das duas naturezas de Cristo!

Vocês baniram toda a idolatria! Vocês destruíram as heresias de Germano de Constantinopla, João Damasceno e Maomé. Anátema para Germano, adorador de madeira! Anátema para João, o sócio dele, para o falsificador da doutrina dos Pais! Anátema para Maomé que tem um nome mau e opiniões sarracenas! Para o traidor de Cristo e o inimigo do Império, para o professor da impiedade, o corruptor da Escritura, Maomé, anátema! A Trindade depôs estes três!

 

Voltar à página anterior Topo da página
NEWSIgreja Ortodoxa • Patriarcado Ecumênico • ArquidioceseBiblioteca • Sinaxe • Calendário Litúrgico
Galeria de Fotos
• IconostaseLinks • Canto Bizantino • Synaxarion • Sophia • Oratório • Livro de Visitas