Portal Ecclesia
A Igreja Ortodoxa Atualizações e notícias Seleção de textos Subsidios homiléticos para Domingos e Grandes Festas Calendário litúrgico bizantino Galeria de Fotos Seleção de ícones bizantinos Clique aqui para enviar-nos seu pedido de oração Links relacionados Clique para deixar sua mensagem em nosso livro de visitas Contate-nos
 
 
Loading
Biblioteca Ecclesia
 
 
 

A oração oficial da Igreja Ortodoxa 

Edição: Pe. André Sperandio

Parte I

Ofícios Divinos da Igreja Ortodoxa

Os ofícios divinos ortodoxos, ou seja, a adoração divina da Ortodoxia, são as orações organizadas que se recitam, consecutivamente, pelos livros de ordem eclesiástica, ou seja, da igreja. O principal é o Tipikon ou "Regulamento". Nestes ofícios, os cristãos ortodoxos apresentam e oferecem a Deus louvores, agradecimentos e súplicas pedindo, por este meio, os dons do Espírito Santo e os bens celestes e terrestres. 

Divisões dos Ofícios Divinos 

Os ofícios divinos ortodoxos dividem-se em particulares e públicos. Os particulares são os que se completam por uma ou mais pessoas na Igreja ou em outro lugar. Os públicos são os que se completam por pessoas indicadas e geralmente na Igreja. Estes últimos são permanentes como a Divina Liturgia que se celebra por todos os cristãos e os ocasionais que se celebram, quando os fiéis necessitarem e pedirem, como o Batismo e o Matrimônio. Os mais importantes dos ofícios permanentes são a Divina Liturgia e o Ofício das Horas; em seguida os ocasionais, que são os santos Sacramentos. 

Oração Pública da Igreja

  1. Ofício das Horas (Ofício Canônico); 
  2. Divina Liturgia (Santa Missa); 
  3. Ofícios Ocasionais (Administração dos Sacramentos). 

Local dos Ofícios Divinos 

O local onde celebramos os ofícios divinos é chamado Templo, uma construção dedicada às preces e ofícios divinos. Ele tem forma retangular ou de uma cruz com uma ou mais abóbadas, fixada uma cruz no centro da abóbada central. A entrada fica no Ocidente e nunca no Oriente obedecendo a dois preceitos: 

  • Que Jesus veio, de acordo com as profecias, do Oriente; 
  • Que o cristão já se afastou da escuridão da ignorância e da servidão de satanás e chegou a Cristo que é a Luz verdadeira que surge no Oriente. (Alguns templos têm portas laterais na esquerda e na direita). 

O templo é ornamentado com ícones, a cruz, as lâmpadas e as velas acesas. O interior é dividido em duas partes - Oriental e Ocidental. A parte ocidental do templo é destinada ao povo, leitores e cantores. Ela se separa do santuário por uma divisão que se chama ICONOSTASE, isto é, a parede dos ícones. É chamada assim, pois está recoberta de ícones. O ícone da santa ceia, ou da cena de Emaús, é posto bem no centro do iconostase no alto da abertura central. No lado direito dominam os ícones do Salvador e da Mãe de Deus, respectivamente. Outros ícones de apóstolos, doutores, mártires e titulares da Igreja, revestem os lados e o alto da Iconostase. 

As Portas Santas 

No iconostase existem três portas que dão acesso ao santuário da parte ocidental. A abertura central da iconostase, mais larga, possui uma porta de duas folhas, daí recebe o nome de Portas Santas. Elas chegam até meia altura. Por detrás delas corre uma cortina. Na pequena porta de duas folhas estão representadas as cenas da Anunciação e os quatro evangelistas, isto porque a porta central, também chamada de Porta Real (pois, por ela entra o Rei celestial no santo sacrifício) simboliza a Boa-Nova, o início da obra salvadora de Cristo e o seu ensinamento, que introduz os fiéis nos mistérios de Deus. Pela Porta Régia passam somente os celebrantes revestidos de seus paramentos durante os atos litúrgicos. Os ajudantes e demais ministros utilizam as portas laterais. A Porta Santa fica aberta durante quase toda Liturgia. É só nestes momentos que o fiel pode avistar o altar e o celebrante. 

Porta Norte e Porta Sul 

As duas aberturas laterais da Iconostase, com as respectivas portas, recebem o nome de Porta Norte e Porta Sul, isto porque, segundo a Tradição, a igreja devia ser construída de forma que o santuário ficasse voltado para o Oriente, de onde nos veio a Salvação, enquanto que o Norte e o Sul lhes ficariam respectivamente à esquerda e à direita. Por essas portas passam os ajudantes e demais ministros. Simbolizam as portas do paraíso terrestre, fechadas após o pecado do primeiro homem e guardadas por um anjo. Os ícones de arcanjos ou de santos diáconos (escolhidos para o ministério do "serviço") aparecem pintados nas portas Norte e Sul. Os principais ícones ficam dispostos entre as portas, obedecendo ao seguinte critério: o ícone do Salvador fica à direita da porta Régia e o da Mãe de Deus à esquerda. 

O local dos leitores e cantores fica o mais próximo possível da porta Régia, à esquerda e à direita e chama-se o coro. Em algumas Igrejas coloca-se uma tribuna alta, à esquerda de quem entra na Igreja onde o diácono lê o Evangelho. De um modo geral a parte Ocidental ou nave possui: 

  • Púlpito ou Predicatório: local de onde o sacerdote realiza a homilia.
  • Coro: local onde ficam os leitores e cantores; 
  • Proskinetárion ou Analoi: estantes onde é colocado o santo Evangelho para ser beijado pelos fiéis ao entrarem na Igreja e ícones do padroeiro da igreja e das comemorações periódicas; 
  • Nártex ou Vestíbulo: local em que, na Igreja primitiva, ficavam os penitentes, pecadores e catecúmenos - (pessoas que estavam se preparando para receber o batismo). Próximo à entrada principal do templo e cercado de assentos laterais. A Oriental chama-se santuário ou santo dos santos. O santuário é reservado ao clero - bispos, padres, diáconos e outros auxiliares que celebram os ofícios divinos e dirigem as orações diante do altar principal.

Características do Santuário

O santuário é o espaço mais sagrado do templo e onde ficam o altar e os celebrantes. É o santo dos santos, lugar inacessível aos fiéis. O nível do santuário é um pouco mais elevado que a nave, por meio de alguns degraus. Só os membros do clero podem entrar no santuário. 

Altar Principal

O Altar ou Santa Mesa

No interior do Santuário encontramos o altar ou santa mesa ou ainda altar- mor (do sacrifício). situa-se no centro do santuário, tem forma quadrada ou retangular e pode ser tanto de madeira como de pedra. Possui cinco colunas de sustentação que simbolizam os quatros evangelistas (as colunas laterais) e o Cristo a pedra Angular a coluna central. Recoberta de uma dupla toalha e o seu simbolismo nos faz lembrar o mesmo Cristo. O altar é visível aos olhos dos fiéis durante quase toda a Divina Liturgia, mas nos momentos em que se fecham as portas santas e a cortina, ele fica oculto. 

Objetos que se devem colocar no Altar: 

EvangelhoSanto Evangelho: é o livro dos quatro evangelhos para o uso litúrgico, em geral de confecção nobre e artística. Fica dia e noite sobre o antimênsion, no altar. 

AntimensionAntimênsion: lenço retangular em cujo centro é estampada a cena do sepultamento de Jesus Cristo depois de tirado da cruz e envolto pelos panos de linho. Nos quatro cantos do lenço são estampados os quatro evangelistas. Nele se coloca um pequeno pedaço de relíquia da santa cruz ou dos santos. O antimênsion é necessário para completar a celebração do da Divina Liturgia, a ponto de não se poder celebrar sem ele.

Crucifixo: sustentado por um pedestal, fixado atrás da santa mesa com o ícone do crucificado pintado. 

Cruz de bênçãoArthofórionCruz de Bênçãos: costuma permanecer sempre sobre o altar, deitada ao lado do evangeliário. Em geral é de metal precioso, mas pode ser também de madeira. A haste vertical possui um cabo para segurar a cruz na mão. É usada na Liturgia e outros ofícios divinos para abençoar o povo. 

Artofórion ou Tabernáculo: é um pequeno compartimento, para guardar a sagrada Eucaristia para os doentes. 

RipidiaRipídia: são dois leques ou flabelos de cabo comprido e que levam pintada a cabeça de um serafim de seis asas. Durante a oração eucarística o diácono agita lentamente o ripidion sobre as oblatas consagradas, querendo com isso significar o bater das asas das legiões angélicas que "concelebram" com o sacerdote, e a ação do Espírito Santo.

Santo Mantel ou Sangüíneo: lenço de cor vermelha usada para secar a boca após a comunhão.

Castiçais: onde são postas as velas que são queimadas nos ofícios, simbolizando a consumação em sacrifício da criatura ao seu Criador. 

Altar da Proskomidia

O Altar da Prótese

À esquerda de quem olha o altar-mor está um pequeno altar (mesa) destinado à preparação das oblatas durante o rito da proscomídia, e à consumação das espécies eucarísticas, depois da liturgia, chamado Altar da Prótese. Os objetos colocados sobre ele são: 

CáliceCálice: destinado a conter o preciosíssimo Sangue de Cristo e, para comunhão dos fiéis, também as partículas do Pão Consagrado. A copa do cálice deve ser grande e profunda, e a base sólida).  

DiskosDisco: é uma patena ampla e possui uma beirada alta; entre os eslavos é comum que o disco tenha um pequeno pedestal. O disco é destinado a conter o Cordeiro (Pão Eucarístico) e as partículas de pão para as comemorações.

AsteriskosAsterisco ou Estrela: é composta de duas lâminas metálicas semicirculares, unidas no meio por um parafuso sobre o qual está uma pequena cruz e do qual pende uma estrelinha que nos lembra a estrela que guiou os reis magos até a gruta de Belém. O asterisco serve para preservar as partículas do contato com o kalima pequeno que recobre o disco.

KalimasKalimas: são três: dois menores servem para recobrir o cálice e o disco. O grande kalima, chamado aéras, cobre tanto o cálice como o disco. Simboliza, o aéras, a pedra que fechou o sepulcro de Jesus.

LançaLança: é uma pequena faca em forma de lança e serve para recortar o pão oferecido e as partículas necessárias para o sacrifício. Simboliza a lança que transpassou o lado de Jesus. 

ColherColher:  é uma pequena colher, cujo cabo comprido termina em forma de cruzinha, usada para distribuir a comunhão aos fiéis. Simboliza a tenaz com o que o serafim pegou o carvão ardente e tocou os lábios do profeta Isaías. O carvão ardente para os orientais, é uma figura que designa a partícula consagrada. 

EsponjaEsponja: é um pequeno triângulo de esponja prensada que serve para reunir as partículas consagradas e colocá-las dentro do cálice. Serve também para purificar o disco e as mãos do celebrante de qualquer fragmento de pão. Este acessório simboliza a esponja com a qual deram de beber ao Cristo na Cruz. 

PrósforaPrósfora: é o pão eucarístico na Liturgia. Conforme o antiqüíssimo costume oriental o pão da eucaristia é fermentado e não ázimo como na igreja latina. A prósfora traz impresso na sua parte superior um selo quadrado onde está inscrita uma cruz com as abreviaturas gregas IS CS NIKA que quer dizer, "Jesus Cristo vence". A parte delimitada por esta impressão, cortada durante o rito da preparação (Proscomídia), é colocada no disco na forma de um cubo. Recebe então o nome de "Cordeiro": este é o pão que será consagrado durante a Liturgia. Outras quatro prósforas são utilizadas para extrair delas umas partículas em memória da Virgem Mãe de Deus, dos santos, dos vivos e dos mortos. O pão que sobrar é cortado em pedaços e, após ter sido abençoado (não consagrado) será distribuído no fim da Liturgia sob o nome de antídoron. 

ZeónZéon ou Teplotá:  é a água quente que, ainda fervendo, será derramada no cálice após a fração do pão enquanto o sacerdote pronuncia as palavras: "Fervor da Fé cheia do Espírito Santo". Por extensão, também o recipiente que contém o zéon recebe o mesmo nome. 

Dípticos: normalmente, folha de papel na qual foram escritos, dos dois lados, as intenções da missa, dos vivos e dos mortos.

Trono e assentos: No fundo da ábside central está, em lugar um pouco elevado, o trono episcopal e, de um lado e do outro do trono, no nível do chão, estão os assentos para o clero concelebrante. 

Diakonikón: À direita de quem olha o altar-mor fica o diaconikon, lugar reservado para a paramentação dos ministros que corresponde, nas igrejas latinas, à sacristia.

Comportamento no templo

Sendo o templo a casa de Deus, devemos nos comportar de acordo com a grandiosidade do Senhor (Dono) da casa. 

  1. Entrando no templo, devemos fazer logo o sinal da cruz.
  2. Tomamos uma vela e acendemos no candelabro.
  3. Reverenciamos e beijamos o santo Evangelho e os ícones que se encontram nas estantes (Proskenitárion), na parte ocidental do templo.  (Podemos também, reverenciar os ícones do iconostase através de orações e recitação de tropários). 
  1. Procuramos nos colocar em oração, interiorizando e preparando-nos para as celebrações litúrgicas, sempre em profundo silêncio e respeito.

Sobre a Bênção

Ao abençoar, o sacerdote coloca o polegar da mão direita apoiado ao dedo anular, o indicador erguido e os outros dois dedos ligeiramente inclinados. Esta posição dos dedos representa a abreviação grega do nome de Jesus Cristo: IC XC. O fiel, ao pedir a bênção ao sacerdote, deve colocar a mão direita sobre a esquerda em formato de uma concha. Ao receber a bênção deve em seguida inclinar-se, fazer uma metânia, beijando a mão do sacerdote e fazendo o sinal da cruz. 

Sobre o canto na Liturgia

Nas celebrações, a profundidade da expressão e o desejo de estar perto de Deus, são representados com extrema clareza no canto. Deus, Senhor de todo o Universo, em toda sua magnificência, torna-se para nós, pecadores, difícil de ser compreendido e, encontramos extrema incapacidade de nos expressar a Ele em nossas orações. Assim a Igreja encontrou na poesia inspirada, a suprema forma de louvar a Deus. E essa forma poética é expressada através do canto. A Divina Liturgia e as demais ações litúrgicas são sempre cantadas, mesmo em dia de semana. 

Também se conserva o uso antiqüíssimo de não fazer uso de instrumentos musicais, pois, só a voz dos fiéis é adequada para exprimir a sensação espiritual e os sentimentos religiosos. Só ela pode formular com palavras aquilo que brota do mais íntimo do coração do fiel. Na voz se refletem a alma dos fiéis e os sentimentos dos que rezam. A força e fervor do canto, a pura naturalidade das vozes pode nos comover profundamente e manifestar a viva e real presença de Deus. 

Das pessoas que celebram os Ofícios Divinos

Para celebrar os divinos ofícios encarregam-se os diáconos, os presbíteros e os bispos. (os bispos e os patriarcas são equânimes nos direitos e obrigações eclesiásticas. O seu grau é um, a diferença é apenas na política eclesiástica, pois todos são presbíteros ou bispos). Todos eles são celebrantes dos santos sacramentos e cada um tem as obrigações próprias a seu grau. 

O bispo é o principal na sua diocese no ensino e direção dos divinos ofícios. Ele deve ser testemunho, iluminando os seus diocesanos e clero. Ele celebra todos os divinos ofícios e tem o direito de ordenar o clero, consagrar o antimênsion e o santo myron. 

O sacerdote celebra todos os divinos ofícios, salvo os que são privativos ao bispo e com cuja licença, ele ensina aos fiéis a fé cristã dentro ou fora da Igreja, observando a sua conduta. 

O diácono auxilia o presbítero na celebração dos divinos ofícios e, com a permissão do presbítero ou do vigário local, pode fazer a pregação dentro da Igreja e ensinar fora dela. 

Paramentos litúrgicos e vestes eclesiásticas

Ao celebrar os ofícios divinos dos sacramentos, os celebrantes vestem paramentos especiais dignos das cerimônias divinas e que fazem lembrar as suas obrigações. Esses paramentos são entregues solenemente durante a ordenação. 

O diácono veste estichárion, orárion, epimaníkias. 

  • Estichárion:  é uma tûnica comprida até os pés que regula o andar do diácono e indica a pureza que deve observar na sua vida. 
  • Orárion: é um pano comprido e estreito enfeitado com pequenas cruzes que ficam no ombro esquerdo do diácono e representa as asas de anjo por ser o seu cargo a execução do serviço dos anjos. Com ele anuncia ao povo a hora da oração e ao coro a hora de entoar os hinos. 
  • Epimaníkias: ficam atadas aos pulsos para lembrar ao diácono que a força de Deus é que anima e fortalece o homem auxiliando-o a servir a Deus. 

O sacerdote veste estichárion, epitrachílion, epimaníkias, zone, felônion.

Sacerdotes
  • ESTICHÁRION (longa túnica): o estichárion do sacerdote tem mangas estreitas, sendo, em geral, confeccionado de seda e de cores claras. O estichárion usado pelo diácono e pelos ministros de graus inferiores tem mangas curtas e amplas. O tecido costuma ser igual, ou parecido, ao paramental usado no dia sendo ornado com galões.
  • Epitrachílion: é semelhante ao orárion do diácono, porém, mais larga e se coloca no pescoço e desce sobre o peito e, originalmente, até os pés. Ela indica que o sacerdote tomou a si todo o serviço da Igreja e obteve na ordenação uma graça maior que a do diácono. 
  • Epimaníkias: não diferem, no feitio e na indicação das do diácono. 
  • Zone: indica que Deus ampara o sacerdote com seu poder divino. 
  • Felônion: é uma capa arredondada sem mangas sendo a frente curta e tendo no centro uma abertura para enfiar no pescoço. Ela faz lembrar ao sacerdote que deve ter a vida revestida e indica a púrpura que os soldados puseram no Cristo. 
Bispos

O bispo veste os mesmos paramentos do sacerdote, salvo o felônion que é substituída pelo sakkos que se assemelha à túnica curta. Além disso, ele leva o homofórion, o hipogonation que é usado pelo sacerdote, também uma coroa, uma cruz e, do lado direito da cruz, uma medalha de Jesus Cristo chamada eucópion. Do lado esquerdo da cruz usa uma medalha da Mãe de Deus denominada Panaghia (toda santa) e o báculo. 

Homofórion: é uma peça de pano comprida e estreita usada no pescoço, sobre os ombros, tendo uma ponta na esquerda para as costas e a outra ponta da esquerda, também, sobre o peito. Ele lembra a autoridade do bispo e a sua obrigação de cuidar da vida dos cristãos e particularmente dos pecadores. Ele simboliza a ovelha perdida e o dever do bispo de ir ao encontro desta ovelha. 

Hipogonátion: é um pedaço de pano quadrado com uma cruz no centro e usada do lado direito como uma espada e representa a espada espiritual que é a palavra de Deus com a qual deve armar-se o bispo. 

Coroa: representa a coroa de espinhos que foi colocada sobre a cabeça do Senhor na sua Paixão. 

Báculo: é usado pelo bispo durante a Divina Liturgia para indicar os seus direitos e deveres pastorais. 

Há ainda uma particularidade que pertence ao bispo: é um pequeno tapete redondo denominado "aeto" que possui a figura de uma águia voando sobre uma cidade, serve como tapete para o bispo durante a Divina Liturgia. Essa águia (bicéfala) era usada como símbolo do antigo Império Bizantino, que estendia seu poder do Oriente e Ocidente e, mais tarde, passou a ser símbolo de universalidade da Igreja de Cristo, simbolizando que ela está acima de tudo, existe de uma extremidade a outra da terra. E, em particular ao bispo, lembra-lhe que, mais que todos os cristãos, deve buscar a santidade e a sabedoria, assim como a águia voa acima de todas as aves.

Paramentos e insígnias

ESTICHÁRION (1): (Longa Túnica): o estichárion do Sacerdote tem mangas estreitas, sendo, em geral, confeccionado de seda e de cores claras. O que é usado pelo diácono e pelos ministros de graus inferiores tem mangas curtas e amplas. O tecido costuma ser igual ou parecido ao paramental usado no dia e é ornado com galões. 

EPITRACHÍLION: é a estola sacerdotal cujos dois lados descem unidos no peito até quase os pés. É do mesmo tecido dos paramentos e está ornada com seis cruzinhas. 

ORÁRION (2) : é a estola diaconal: uma longa faixa ornada com várias cruzes ou com a palavra "santo" escrita três vezes. Fica presa por um botão no ombro esquerdo do diácono, tendo uma extremidade que desce livre pelas costas e a outra é habitualmente segurada pela mão direita do diácono.

ZONE: O estichárion e o epitrachílion são fixados e ajustados na cintura por uma faixa usada como cinto, denominada zone. É do mesmo tecido dos paramentos e no meio está ornada com uma cruz. 

EPIMANÍKIAS: são duas sobre-mangas (sobre-punhos) do mesmo tecido dos paramentos, ornadas com uma cruz. Servem para segurar e prender as mangas do estichárion. 

HIPOGONÁTION: losango de tecido bordado, usada pelos bispos e sacerdotes revestidos de alguma dignidade eclesiástica. Usa-se a tira colo, descendo livre até à altura do joelho direito. Simboliza a espada da Palavra. felonion é a casula oriental que se coloca sobre o estichárion. 

O Felônion: tem, nas costas, uma cruz grega como ornamento e, mais embaixo, uma estrela de oito pontas. Ele simboliza a luz e a força com as quais Deus envolve o sacerdote. 

SAKKOS:os bispos, em lugar do felônion sacerdotal, usam um paramento chamado sakkos. 

Mandya Cruz Peitoral Panaghia Báculo Pastoral Mitra (coroa) Ortodoxa
         

MITRA OU COROA: cobre a cabeça dos bispos nas celebrações

pontificais. Tem forma esférica ou ligeiramente quadrilobada; ricamente bordada, a coroa tem na sua parte superior uma pequena cruz. Entre os russos, além dos bispos, também sacerdotes com insígnias de alguma honorificência usam a coroa. Sua origem deriva da coroa usada pelos imperadores bizantinos.

HOMOFÓRION: larga faixa que o bispo leva em torno do pescoço, ornamentada com cruzes, tendo bordada a figura de um cordeiro ou do Redentor. Simboliza a ovelha tresmalhada que o Bom Pastor (Jesus) traz de volta para o aprisco (a Igreja). 

Diktirios Hexapteryga Aeton
     

DIQUIROTRIQUIRA: palavra composta de Dikirion e Trikirion, são dois pequenos castiçais, um de duas velas e outro de três. O primeiro simboliza as duas naturezas em Jesus Cristo e, o segundo, as três pessoas da Santíssima Trindade. São usados pelo bispo nas liturgias pontificais.

BÁCULO PASTORAL: tem dois braços formados por duas serpentes que se defrontam, alusão à prudência com que o pastor deve guiar o seu rebanho. 

ANDERI: Batina com mangas estreitas, de cor preta, que é o uniforme do sacerdote em suas atividades não litúrgicas. 

RASSON: é um hábito coral de cor preta com mangas amplas e os eclesiásticos a usam também para aquelas celebrações onde não é exigido o uso do estichárion. 

MANDYAS: ampla capa com a qual se revestem os bispos para as entradas solenes. Também os monges usam um tipo de mandyas, mas é completamente preta.

Paramentos Episcopais (Sakkos) Paramentos Sacerdotais Paramentos Diaconais Rasson Scúfia
         

KALIMAFIOS, EPANEKALIMAFIOS, SKUFIA: é uma espécie de chapéu cilíndrico com o diâmetro superior ligeiramente maior que o de baixo. É usado pelo clero e pelos monges. As diversas formas peculiares dão a cada modelo um nome diferente. Os monges e outros dignitários usam, por cima do chapéu, um longo véu preto que cai dobrado pelas costas. Os metropolitas russos e alguns patriarcas de Igrejas Ortodoxas costumam usar o véu de cor branca. 

CRUZ PEITORAL: é usada pelos bispos e outros dignitários eclesiásticos. Entre os russos a cruz peitoral é usada por todos os sacerdotes indistintamente.

PANAGHIA OU EUCOPION: medalhão com a efígie do Cristo Pantokrátor ou da Virgem Mãe de Deus (Panaghia). É usado pelos bispos e arcebispos em número de um ou dois. 

 

Voltar à página anterior Topo da página
NEWSIgreja Ortodoxa • Patriarcado Ecumênico • ArquidioceseBiblioteca • Sinaxe • Calendário Litúrgico
Galeria de Fotos
• IconostaseLinks • Canto Bizantino • Synaxarion • Sophia • Oratório • Livro de Visitas