Portal Ecclesia
A Igreja Ortodoxa Atualizações e notícias Seleção de textos Subsidios homiléticos para Domingos e Grandes Festas Calendário litúrgico bizantino Galeria de Fotos Seleção de ícones bizantinos Clique aqui para enviar-nos seu pedido de oração Links relacionados Clique para deixar sua mensagem em nosso livro de visitas Contate-nos
 
 
Loading
Biblioteca Ecclesia
 
 
 

21 de Novembro:

Apresentação da Santa Mãe de Deus no Templo

Hoje, o universo inteiro, cheio de alegria,
na insigne festa da Mãe de Deus, exclama:
Eis aqui o celeste tabernáculo!

Ana hoje nos preanuncia a alegria [ ... ]:
cumprindo o seu voto apresenta ao Templo do Senhor
aquela que é verdadeiramente
o templo do Verbo de Deus e sua Mãe puríssima.

ssim, já no dia 20 de novembro, a Igreja de tradição constantinopolitana exulta na véspera da festa da entrada ao Templo da Santíssima Mãe de Deus, que se concluirá em 25 de novembro. É uma das Doze grandes festas do ano litúrgico bizantino e coincide, como data, com o calendário romano. Mas qual riqueza hinográfica o Oriente nos transmitiu em seus textos litúrgicos! A festa de origem hierosolimitana celebrava a festa da dedicação da igreja de Santa Maria Nova (no tempo do imperador Justiniano, em novembro do ano 543).

Desde as Vésperas iniciais, um dos temas mais freqüentes é o convite a honrar aquela que é "o santo tabernáculo, a arca espiritual que contém o Verbo infinito," "o templo animado da santa glória de Cristo"embora o evento da encarnação esteja cronologicamente ainda longe. Com efeito, repete-se várias vezes que a menina apresentada ao templo tinha três anos. Evidentemente aqui se considera o plano de Deus na sua globalidade, pelo qual já se pode aclamar:

Tu és o oráculo dos profetas, a glória dos apóstolos,
o orgulho dos mártires e a renovação de todos os mortais,
ó Virgem Mãe de Deus.
Por isso honramos a tua entrada no templo do Senhor
e, juntamente com o anjo,
te saudamos com os nossos cânticos,
nós que fomos salvos pela tua intercessão.

(Ofício de Vésperas).

A exuberância oriental é bem diversa da sobriedade e concisão latina; além disso, notamos, com freqüência, no "próprio" bizantino referências ao Proto-evangelho de São Tiago, do qual são lembrados muitos detalhes: as meninas que acompanharam Maria com as lâmpadas acesas, o grão-sacerdote Zacarias que a introduziu no templo e no Santo dos Santos, o alimento que o anjo Gabriel lhe levou até o dia de suas núpcias com José. Os hinos litúrgicos dessa festa estão repletos de elementos lendários, dificilmente aceitos por um fiel ocidental, mas é preciso entender que no Oriente se deu a eles um valor simbólico de verdades mais elevadas, como a total consagração a Deus de Maria Santíssima desde a mais tenra infância e a sua preparação excepcional à missão única de gerar ao mundo o Redentor. Um estudioso de liturgia bizantina observa:

— «O temperamento ocidental, apaixonado pela exatidão histórica e que julga com esse critério os próprios dados da sua vida religiosa, só podia desdenhar a lenda piedosa da apresentação de Maria ao templo. Completamente diferente é a atitude do oriental; pode estar perfeitamente a par da inautenticidade histórica de um relato sem por isso rejeitá-lo. Ele busca nos fatos da história sagrada, mesmo nos perfeitamente estabelecidos, não tanto a sua verdade humana quanto o seu conteúdo divino.»

O ícone da festa é caracterizado por certa fixidez. Pode-se notar que, em cima de um estrado, o sacerdote Zacarias acolhe a pequena Maria, que tem um olhar maduro e vestes de pessoa adulta; atrás dela está uma menina e, segurando uma vela, símbolo da oferta, estão Joaquim e Ana. Na cena do ângulo superior à direita, o anjo Gabriel leva a comida para a menina, como é lembrado pelo tropário que se segue:

No Santo dos Santos,
a Santa e Imaculada é introduzida pelo Espírito Santo
para ali habitar e ser nutrida por um anjo;
ela é o templo mais santo do Deus Santo;
com o seu ingresso santifica todas as coisas
e diviniza a natureza decaída.

Passamos assim à poesia da hinografia litúrgica. Eis o texto das preces mais repetidas no dia 21 de novembro e nos dias de pós-festa:

Hoje é o prelúdio da benevolência de Deus
e a proclamação preliminar da salvação dos homens:
a Virgem apresenta-se com esplendor no templo de Deus
e antecipadamente anuncia Cristo a todos.
A ela, nós também clamemos em alta voz:
Salve, ó realização dos planos do Criador.

Tropário (4º tom)

O puríssimo templo do Salvador, a Virgem,
o preciosismo tálamo, o sagrado tesouro da glória de Deus,
é apresentada hoje à casa do Senhor,
introduzindo com ela a graça do Espírito divino.
Os anjos de Deus a louvam, clamando:
Esta é o tabernáculo celeste.

Kondakion (4º tom)

As três leituras vetero-testamentárias que se proclamam nas Vésperas da festa evocam as disposições dadas por Jeová a Moisés para que erigisse "o Tabernáculo, a tenda de reunião" (Ex. 40), a "arca da Aliança" que Salomão colocou no templo (1 Rs. 8) e a "porta fechada" vista por Ezequiel (Ez. 44). São todas figuras bíblicas muitas vezes aplicadas à Virgem. Venerando desde a mais remota Antigüidade a santidade sublime de Maria, no Oriente bizantino a reflexão se deteve sobre a misteriosa preparação da Escolhida para a missão que Deus lhe confiou. Por isso, é importante a festa de 21 de novembro, em que nós também, celebrando as primícias da nossa salvação, podemos rezar com as palavras de um tropário da Ode nona do Cânon matutino que dizem:

Ó imaculada Mãe de Deus,
tu tens na alma a beleza resplandecente da pureza,
és cheia de graça celestial;
tu iluminas sempre com eterna luz
os que com alegria exclamam:
Na verdade, tu és a mais excelsa de todas as criaturas,
ó Virgem pura!


Fonte:

«O ANO LITÚRGICO BIZANTINO» Madre Maria Donadeo

 

Voltar à página anterior Topo da página
NEWSIgreja Ortodoxa • Patriarcado Ecumênico • ArquidioceseBiblioteca • Sinaxe • Calendário Litúrgico
Galeria de Fotos
• IconostaseLinks • Canto Bizantino • Synaxarion • Sophia • Oratório • Livro de Visitas