Portal Ecclesia
A Igreja Ortodoxa Atualizações e notícias Seleção de textos Subsidios homiléticos para Domingos e Grandes Festas Calendário litúrgico bizantino Galeria de Fotos Seleção de ícones bizantinos Clique aqui para enviar-nos seu pedido de oração Links relacionados Clique para deixar sua mensagem em nosso livro de visitas Contate-nos
 
 
Loading
Suplemento Litúrgico para os Domingos e Grandes Festas  
 
 
 

Domingo, 07 de Fevereiro de 2016:

«16º Domingo de Mateus»

(36º depois de Pentecostes - Modo 3)

Comemoração de São Lucas, eremita († 953).

Matinas

Evangelho

[Mc 16, 9-20]

Evangelho de Jesus†Cristo, segundo o Evangelista São Marcos.

aquele tempo, tendo ressuscitado na manhã do primeiro dia da semana, Jesus apareceu primeiramente a Maria Madalena, da qual tinha expulsado sete demônios. E, partindo ela, anunciou-o àqueles que tinham estado com ele, os quais estavam tristes, e chorando. E, ouvindo eles que vivia, e que tinha sido visto por ela, não o creram. E depois manifestou-se de outra forma a dois deles, que iam de caminho para o campo. E, indo estes, anunciaram-no aos outros, mas nem ainda estes creram. Finalmente apareceu aos onze, estando eles assentados à mesa, e lançou-lhes em rosto a sua incredulidade e dureza de coração, por não haverem crido nos que o tinham visto já ressuscitado. E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas; Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão. Ora, o Senhor, depois de lhes ter falado, foi recebido no céu, e assentou-se à direita de Deus. E eles, tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor, e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram. Amém.

Divina Liturgia

Apolitikion

Rejubilem-se os céus e alegre-se a terra,
pois o Senhor manifestou a força de seu braço;
com sua morte venceu a morte,
tornou-se o primogênito dos mortos;
libertou-nos das entranhas dos infernos
revelando ao mundo a grande misericórdia!

Kondakion

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.

Hoje te levantaste da tumba, ó Compassivo,
e nos conduziste para fora das portas da morte,
Hoje Adão dança e Eva se regozija
e com eles os Profetas e os Patriarcas
louvam sem cessar o divino poder de tua autoridade.

Theotokion

Agora e sempre e pelos séculos dos séculos. Amém

Tu, que te preocupavas com a salvação do gênero humano
a ti cantamos, Virgem Mãe de Deus!
Teu Filho e nosso Deus, com o puríssimo corpo recebido de ti,
padecendo os sofrimentos da cruz livrou-nos da iniqüidade,
Ele, o amigo dos seres humanos.

Prokímenon

Cantai salmos ao nosso Deus, cantai!
Cantai salmos ao nosso Rei, cantai!

Nações, aplaudi todas com as mãos,
aclamai a Deus com vozes alegres!

Epístola

[2 Cor 6, 1-10]

Segunda Epístola de São Paulo aos Coríntios

rmãos, nós, cooperando com ele, também vos exortamos a que não recebais a graça de Deus em vão; {porque diz: No tempo aceitável te escutei e no dia da salvação te socorri; eis aqui agora o tempo aceitável, eis aqui agora o dia da salvação}; não dando nós nenhum motivo de escândalo em coisa alguma, para que o nosso ministério não seja censurado. Antes em tudo recomendando-nos como ministros de Deus; em muita perseverança, em aflições, em necessidades, em angústias, em açoites, em prisões, em tumultos, em trabalhos, em vigílias, em jejuns, na pureza, na ciência, na longanimidade, na bondade, no Espírito Santo, no amor não fingido, na palavra da verdade, no poder de Deus, pelas armas da justiça à direita e à esquerda, por honra e por desonra, por má fama e por boa fama; como enganadores, porém verdadeiros; como desconhecidos, porém bem conhecidos; como quem morre, e eis que vivemos; como castigados, porém não mortos; como entristecidos, mas sempre nos alegrando; como pobres, mas enriquecendo a muitos; como nada tendo, mas possuindo tudo.

Aleluia

Aleluia, aleluia, aleluia!

Junto de Ti, Senhor, me refugiei;
não seja eu confundido para sempre,
por tua justiça, livra-me! Aleluia, aleluia, aleluia!

Sê para mim um Deus protetor
e uma casa de refúgio que me abrigue.
Aleluia, aleluia, aleluia!

Evangelho

[Mt 25, 14 -30]

Evangelho de Jesus†Cristo, segundo o Evangelista São Mateus.

aquele tempo, o Senhor disse esta parábola: «Um homem que ia viajar para estrangeiro chamou seus servos lhes entregou seus bens. A um deu cinco talentos, a outro dois e ao terceiro um, cada qual de acordo com sua capacidade. Em seguida viajou. O servo que havia recebido cinco talentos logo, trabalhou com eles e lucrou outros cinco. Do mesmo modo, o que havia recebido dois lucrou outros dois. Mas aquele que havia recebido um saiu, cavou um buraco na terra e escondeu o dinheiro do seu senhor. Depois de muito tempo, o senhor voltou e foi ajustar contas com os servos. Aquele que havia recebido cinco talentos entregou-lhe mais cinco, dizendo: Senhor, tu me entregaste cinco talentos. Aqui estão mais cinco que lucrei. O senhor lhe disse: Parabéns, servo bom e fiel! Como te mostraste fiei na administração de tão pouco eu te confiarei muito mais. Vem participar da alegria do teu senhor! Chegou também o que havia recebido dois talentos e disse Senhor, tu me entregaste dois talentos Aqui estão mais dois que lucrei, O senhor lhe disse: Parabéns, servo bom e fiei. Como te mostraste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da alegria do teu senhor Por fim, chegou aquele que havia recebido um talento, e disse: Senhor, sei que és um homem severo, pois colhes onde não plantaste e ajuntas onde não semeaste. Por isso fiquei com medo e escondi o teu talento no chão. Aqui tens o que te pertence. O senhor lhe respondeu: Servo mau e preguiçoso. Tu sabias que eu colho onde não plantei e que ajunto onde não semeei? Então devias ter depositado meu dinheiro no banco, para que, ao voltar, eu recebesse com juros o que me pertence. Em seguida. o senhor ordenou: Tirai dele o talento e dai àquele que tem dez! Pois a todo aquele que tem será dado mais, e terá em abundância, mas daquele que não tem, até o que tem lhe será tirado. E quanto a este servo inútil, jogai-o fora, nas trevas. Ali haverá choro e ranger de dentes.» Tendo dito isto exclamou: «Quem tem ouvidos para ouvir, ouça!»

Hino à Mãe de Deus

Ó Admirável e Protetora dos cristãos e nossa Medianeira do Criador
não desprezes as súplicas de nenhum de nós pecadores,
mas apressa-te em auxiliar-nos como Mãe bondosa que és,
pois te invocamos com fé: roga por nós junto de Deus,
tu que defendes sempre aqueles que te veneram.

Kinonikón

Louvai o Senhor nos céus
louvai-O nas alturas!
Aleluia, aleluia, aleluia!

Durante nossa existência, a cada dia, recebemos de Deus talentos para administrarmos segundo nossa capacidade. Ainda crianças, recebemos o Batismo, a Crisma e a Eucaristia, sacramentos da iniciação cristã. Há quem prefira deixar escondidos estes talentos, por motivos tão diversos. Há quem trabalhe esses talentos fazendo prosperar e multiplicar esses dons, pondo-os à serviço da Igreja viva, dos irmãos, principalmente os mais necessitados.

Como na parábola, a cada um é dado os dons segundo a sua capacidade. Esses dons devem ser compreendidos à luz da fé e à luz da disposição em servir. É preciso que estejamos atentos ao tempo oportuno para nos dispormos à entrega, ao oferecimento pelo outro. Os dons nos foram dados, mas não somos proprietários destes dons. O Único senhor é Deus e a Ele devemos devolver estes dons, não como recebemos simplesmente, mas transformados. Para isso a luta é necessária, o combate à indolência, à preguiça, ao comodismo devem conduzir nosso espírito aos desafios. Um cristão consciente de sua condição filial divina, é alguém que está pronto para os grandes desafios; é alguém que se põe a frente, que ocupa os lugares de vanguarda, abrindo trincheiras no meio dos obstáculos. São Paulo escreve a Timóteo a este respeito: “Suporta os trabalho a ti confiados como bom soldado de Cristo. Nenhum atleta será coroado se não tiver bem competido. É preciso que o lavrador trabalhe com afinco se quiser boa colheita” (2Tm 2,4-6).

JesusConforme nossa capacidade em administrar os dons, Deus vai nos dispondo outros. É imperioso, no entanto, frisar que quanto mais forem o número de dons a nós confiados, tanto maior nos será exigido bons resultados. Os primeiros talentos, se bem trabalhados, nos fazem aptos a receberem outros. A alguns é dado o dom da profecia,a outros, o dom da cura, a outros o dom das línguas, a outros o dom da pregação, a outros o dom de saber escutar, a outros o dom da misericórdia. Mas quais sejam esses dons, todos devem ter como base a caridade. Sem ela de nada valem os dons; sem ela nos anulamos e aniquilamos a graça depositada em nós. ( 1Cor 12). “Acima de tudo revesti-vos da caridade que é vinculo da perfeição” (Cl 3,14).

Por isso não devemos nos vangloriar pelos dons que temos recebido; não devemos ser alvos dos holofotes, pois quem sempre deve ser manifestado é Cristo e não nós . Somos meros instrumentos nas mãos de Deus e, se na sua misericórdia e bondade infinitas, nos confiou dons diversos e expressivos é para que manifestemos a Sua gloria. Não devemos cobiçar as glórias vãs , nos provocando inveja, separações, divisões. Os talentos não nos foram distribuídos para este fim. (Gl 5).

Outrossim, não nos deve assolar a tristeza ou a melancolia quando percebemos que não somos possuidores de vários dons e talentos para administrar. Pois o “Senhor é justo e seus julgamentos são corretos; com justiça e verdade Ele ordena tudo o que existe” (Sl 118). E também; «O Espírito distribui seus dons a quem ele quer e como quer.»

Voltar à página anterior Topo da página  
NEWSIgreja Ortodoxa • Patriarcado Ecumênico • ArquidioceseBiblioteca • Sinaxe • Calendário Litúrgico
Galeria de Fotos
• IconostaseLinks • Canto Bizantino • Synaxarion • Sophia • Oratório • Livro de Visitas