Portal Ecclesia
A Igreja Ortodoxa Atualizações e notícias Seleção de textos Subsidios homiléticos para Domingos e Grandes Festas Calendário litúrgico bizantino Galeria de Fotos Seleção de ícones bizantinos Clique aqui para enviar-nos seu pedido de oração Links relacionados Clique para deixar sua mensagem em nosso livro de visitas Contate-nos
 
 
Loading
Suplemento Litúrgico para os Domingos e Grandes Festas  
 
 
 
A metástase (Assunção) de São João.
(Mural da Virgem Mavriotissa, em Kastoria).

Terça-feira, 26 de Setembro de 2017:

«Dormição do Apóstolo São João, o Teólogo»

São João, o Apóstolo Virgem, é sem dúvida um dos maiores santos da Igreja, merecendo o título de «o Discípulo a quem Jesus amava». Junto à Cruz, recebeu do Redentor como Mãe, a Santíssima Virgem Maria, e com Ela - como Fonte da Sabedoria - a segurança doutrinária que lhe mereceu dos Padres da Igreja o título de «o Teólogo» por excelência. A águia, símbolo da sublimidade de sua teologia, é o símbolo iconográfico de São João, o Teólogo.

Véspera (Leituras Bíblicas)

Primeira leitura

[1 Jo 3, 21-4, 6]

Primeira Epístola de São João.

aríssimos, se o nosso coração não nos acusa, podemos dirigir-nos a Deus com corajosa confiança. E qualquer coisa que pedirmos, dele a receberemos, porque guardamos os seus mandamentos e fazemos o que é do seu agrado. Este é o seu mandamento: que creiamos no nome do seu Filho, Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, de acordo com o mandamento que ele nos deu. Quem observa os seus mandamentos permanece em Deus, e Deus permanece nele. E que ele permanece em nós, sabemos pelo Espírito que nos deu. Caríssimos, não acrediteis em qualquer espírito, mas examinai os espíritos para ver se são de Deus, pois muitos falsos profetas vieram ao mundo. Este é o critério para saber se uma inspiração vem de Deus: de Deus é todo espírito que professa Jesus Cristo que veio na carne. E todo espírito que se recusa a professar Jesus não é de Deus: é do Anticristo. Ouvistes dizer que o Anticristo virá; pois bem, ele já está no mundo. Filhinhos, vós sois de Deus e vencestes aos que são do Anticristo. Pois em vós está quem é maior do que aquele que está no mundo. Eles são do mundo; por isso, agem conforme o mundo, e o mundo lhes presta ouvido. Nós somos de Deus. Quem conhece a Deus escuta-nos; quem não é de Deus não nos escuta. Nisto distinguimos o espírito da verdade e o espírito do erro.

Segunda leitura

[1 Jo 4, 11-16]

Primeira Epístola de São João.


aríssimos, se Deus nos amou assim, nós também devemos amar-nos uns aos outros. Ninguém jamais viu a Deus. Se nos amamos uns aos outros, Deus permanece em nos e seu amor em nós é perfeito. A prova de que permanecemos nele, e ele em nós, é que ele nos deu do seu Espírito. E nós vimos, e damos testemunho: o Pai enviou seu Filho como Salvador do mundo. Todo aquele que professa que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece nele, e ele em Deus. E nós, que cremos, reconhecemos o amor que Deus tem para conosco. Deus é amor: quem permanece no amor, permanece em Deus, e Deus permanece nele.

 

Terceira leitura

[1 Jo 4, 20-5, 5]

Primeira Epístola de São João.

aríssimos, se alguém disser: “Amo a Deus”, mas odeia o seu irmão, é mentiroso; pois quem não ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem não vê. E este é o mandamento que dele recebemos: quem ama a Deus, ame também seu irmão. Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo foi gerado de Deus, e quem ama aquele que gerou amará também aquele dele foi gerado. E este é nosso critério para saber que amamos os filhos de Deus: quando amamos a Deus e pomos em prática os seus mandamentos. Pois amar a Deus consiste nisto: que observemos os seus mandamentos. E os seus mandamentos não são pesados, pois todo o que foi gerado de Deus vence o mundo. E esta é a vitória que venceu o mundo: a nossa fé. Quem é o vencedor do mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus?

Matinas

Evangelho Eothinon

 

[Jo 21, 15-25]

Evangelho de Jesus†Cristo segundo o Evangelista São João.

aquele tempo, depois de terem jantado, disse Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que estes? E ele respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta os meus cordeiros. Tornou a dizer-lhe segunda vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Disse-lhe: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas. Disse-lhe terceira vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Simão entristeceu-se por lhe ter dito terceira vez: Amas-me? E disse-lhe: Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo. Jesus disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas. Na verdade, na verdade te digo que, quando eras mais moço, te cingias a ti mesmo, e andavas por onde querias; mas, quando já fores velho, estenderás as tuas mãos, e outro te cingirá, e te levará para onde tu não queiras. E disse isto, significando com que morte havia ele de glorificar a Deus. E, dito isto, disse-lhe: Segue-me. E Pedro, voltando-se, viu que o seguia aquele discípulo a quem Jesus amava, e que na ceia se recostara também sobre o seu peito, e que dissera: Senhor, quem é que te há de trair? Vendo Pedro a este, disse a Jesus: Senhor, e deste que será? Disse-lhe Jesus: Se eu quero que ele fique até que eu venha, que te importa a ti? Segue-me tu. Divulgou-se, pois, entre os irmãos este dito, que aquele discípulo não havia de morrer. Jesus, porém, não lhe disse que não morreria, mas: Se eu quero que ele fique até que eu venha, que te importa a ti? Este é o discípulo que testifica destas coisas e as escreveu; e sabemos que o seu testemunho é verdadeiro. Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez; e se cada uma das quais fosse escrita, cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escrevessem. Amém.

Divina Liturgia

Apolitíkion da Festa

Apóstolo predileto do Cristo Deus,
apressa-te em ajudar um povo sem defesa.
Aquele que te concedeu reclinar a cabeça sobre o seu peito
te acolha aos seus pés a fim de interceder por nós.
O Teólogo, suplica-lhe para que dissipe a nuvem persistente do paganismo
e pede por nós a paz e uma misericórdia abundante.

Kondakion [Modo 4°]

Quem poderá narrar as tuas virtudes, ó virgem?
De ti jorram maravilhas, tu és a fonte de curas
e tu, ó teólogo e amigo de Jesus,
intercede por nossas almas».

Prokímenon

Os céus manifestam a glória de Deus
e o firmamento proclama as obras de suas mãos (Sl 19,1).

A toda terra chega a sua voz
e a todas as partes a sua mensagem (Sl 19,4)

Epístola

[1Jo 4, 12-19]

Primeira Epístola do Apóstolo São João.

rmãos, ninguém jamais viu a Deus. Se nos amarmos mutuamente, Deus permanece em nós e o seu amor em nós é perfeito. Nisto é que conhecemos que estamos nele e ele em nós, por ele nos ter dado o seu Espírito. E nós vimos e testemunhamos que o Pai enviou seu Filho como Salvador do mundo. Todo aquele que proclama que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece nele e ele em Deus. Nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem para conosco. Deus é amor, e quem permanece no amor permanece em Deus e Deus nele. Nisto é perfeito em nós o amor: que tenhamos confiança no dia do julgamento, pois, como ele é, assim também nós o somos neste mundo. No amor não há temor. Antes, o perfeito amor lança fora o temor, porque o temor envolve castigo, e quem teme não é perfeito no amor. Mas amamos, porque Deus nos amou primeiro.

Aleluia

Anuncia o firmamento tuas Grandes Maravilhas,
e o teu Amor Fiel, a assembléia dos eleitos!

Ele é o Deus Temível no conselho dos seus Santos,
Ele é Grande, Ele é Terrível para quantos O rodeiam.

Evangelho

 

[Jo 19, 25-27, 21,24-25]

Evangelho de Jesus†Cristo segundo o Evangelista São João.

unto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe e a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, eis o teu filho!” Depois disse ao discípulo: “Eis a tua mãe!” A partir daquela hora, o discípulo a acolheu no que era seu. Este é o discípulo que dá testemunho destas coisas e as pôs por escrito. Nós sabemos que seu testemunho é verdadeiro. Ora, Jesus fez ainda muitas outras coisas. Se todas elas fossem escritas uma por uma, creio que nem o mundo inteiro poderia conter os livros que seria preciso escrever.

 

ão João, que em hebraico significa «Deus concede a graça», na tradição bizantina é chamado habitualmente "o Teólogo", título reservado a poucos e, particularmente, apropriado ao Apóstolo, sempre citado entre os primeiros, cuja insigne doutrina, através do seu evangelho, das Epístolas e do Apocalipse, tem nutrido a Igreja de todos os tempos.

Enquanto os fiéis latinos celebram a festa de São João em 27 de dezembro, os fiéis do Oriente bizantino comemoram solenemente esse santo duas vezes: em 26 de setembro, dia da Dormição do Apóstolo (isto é, dia da sua morte) e no dia 8 de maio. O tropário e o kondakion são os mesmos nas duas festas, e também boa parte do ofício próprio do santo, contido nos Minéa, é comum. Dos textos do Ofício podemos depreender todos os dados essenciais da biografia do mais moço dos doze Apóstolos, o qual teve também o privilégio de testemunhar o Cristo até a idade mais avançada. O primeiro texto sobre São João, nos é informado que ele é filho de Zebedeu e que a ele foi dado a graça das visões apocalípticas e de chamar Deus de AMOR. Ele é lembrado como o "Filho do Trovão" e com freqüência somos admoestados pelo seu ensinamento sobre o «Verbo que era desde o princípio e que estava junto do Pai inseparavelmente; igual a Ele na natureza».

Nas Vésperas as três leituras bíblicas são tiradas da primeira epístola de São João, dando destaque especialmente aos trechos em que ele se manifesta como o Apóstolo do amor (final do cap. 3, o cap. 4 quase por inteiro e o início do cap. 5).

No Cânon destaca-se a dúplice palavra que Jesus, na cruz, dirige à sua Mãe:

«Discípulo virgem,
recebeste a honra de ser adotado como filho pela Virgem imaculada;
te tornaste irmão daquele que te escolheu e fez de ti o seu Teólogo".

"Discípulo do Salvador,
na Cruz Cristo confiou a ti, Teólogo virgem, a Puríssima Theotókos;
então cuidaste dela como a pupila dos teus olhos:
intercede pela salvação de nossas almas».

Nas Laudes se recorda que o "discípulo virgem, igual aos anjos, evangelista São João, teólogo formado por Deus", anunciou ao mundo a ferida no lado de Cristo da qual saiu "sangue e água de onde jorra vida eterna para as nossas almas".

Tampouco é esquecida a atividade apostólica de João, em que se usam por vezes imagens poéticas, tão queridas aos orientais, como no katisma poético do Órthros (Matinas).

«Tendo abandonado as águas profundas em que pescavas, ó Apóstolo ilustre,
com o caniço da Cruz sabiamente pegaste, feito peixes, o conjunto das nações
e, como Cristo te dissera, foste pescador de homens, atraindo-os à fé;
tendo semeado o conhecimento do Verbo de Deus,
com tuas palavras colheste Éfeso e Patmos.
Ó apóstolo São João, intercede junto do Cristo nosso Deus,
a fim de que conceda a remissão dos pecados
a quantos celebram de coração a tua sacra memória».

A iconografia de São João estende-se pelos séculos em amplos espaços geográficos. Na tradição bizantina predominam duas representações: do santo aos pés do Crucificado, freqüentemente ao lado oposto de onde se encontra a Virgem (à direita do Cristo), sem as demais pessoas, embora lembradas nos evangelhos, presentes no Calvário ou então o Evangelista é representado sentado, por vezes tendo ao lado o símbolo da águia, ditando ao seu escriba Prócoro a revelação. Ao centro do Iconostase, nas Portas Reais, debaixo da cena da Anunciação, é freqüente a representação dos quatro evangelistas. São João é logo reconhecível, pois é o único. que está ditando a um discípulo. Na iconografia da Santa Ceia o discípulo amado é sempre representado com a cabeça sobre o peito do Mestre. Ele está presente também em numerosas cenas evangélicas ou tradicionais, como a Transfiguração, o Pentecostes, a Dormição da Virgem e muitas outras.

JesusCom a liturgia bizantina, peçamos ao discípulo de Cristo, ao Apóstolo da luz e do amor, tão bem retratado nas Sagradas Escrituras, “para que ilumine todo homem e o leve ao conhecimento de Deus".

Filho de Zebedeu e Salomé, pescadores da Galiléia, foi o primeiro discípulo, com Santo André, que se encontrou com Jesus à beira do Jordão, que os convidou a segui-lo. Nas listas dos apóstolos, João sempre apareceu com seu irmão Tiago imediatamente depois de Pedro e André.

João, juntamente com Pedro e Tiago, formam a tríade privilegiada que Jesus levou consigo nos momentos mais solenes, como na ressurreição da filha de Jairo, na transfiguração do Tabor e na agonia do Getsêmani.

A consciência desta preferência de Cristo e certo ciúme da liderança de Pedro no grupo dos doze levaram os dois irmãos, Tiago e João, a solicitar a Jesus uma declaração explícita e definitiva: "Mestre, queremos que nos concedas tudo o que te vamos pedir". Respondeu-lhes Jesus: "Que quereis que eu vos faça?" 'Concede-nos que nos assentemos na tua glória, um a tua direita e outro à tua esquerda".

Jesus não lhes concedeu este pedido, mas lhes confirmou que deveriam padecer muito por amor dele: "Não sabeis o que pedis. Podeis beber o cálice que eu vou beber, e podeis ser batizados com o batismo que eu vou receber?" Eles responderam: "Podemos". Jesus, então, lhes disse: "Bebereis o cálice que vou beber e sereis batizados com o batismo com que vou ser batizado. Todavia, sentar à minha direita ou à minha esquerda não cabe a mim concedê-lo, mas é para aqueles a quem está preparado" (Mc 10,35-40).

Depois de Pentecostes, a presença e a ação de João foram de grande importância para a consolidação da comunidade primitiva na Judéia, como testemunham as numerosas citações do seu nome nos Atos dos Apóstolos. Depois da dispersão dos apóstolos, São João dedicou-se a fundar e firmar as igrejas na Ásia Menor.

“Foi precisamente o cuidado pastoral das Igrejas que levou o apóstolo João a escrever nos seus últimos anos o Apocalipse, o quarto evangelho, e três epístolas. Escreveu o Apocalipse para confortar os cristãos durante a perseguição de Domiciano. Descreve nele o poder sublime do Cordeiro sacrificado, as grandes tribulações dos fiéis, o castigo dos perseguidores e o triunfo final da Igreja. Terminada a perseguição e estabelecido em Éfeso, João escreveu o evangelho e suas epístolas”.

Este evangelho é o mais belo, e o mais sublime. Pressupõe os outros três, completa-os com episódios preciosos, interpreta-os e os comprova.

Em suas epístolas respira-se o amor que nos leva a Deus e nos prende ao próximo. Conta-se que, já idoso, ao ser levado por seus discípulos à igreja, só repetia estas palavras: "Meus filhinhos, amai-vos uns aos outros, pois no amor está incluída toda a Lei de Deus".

Provavelmente faleceu em Éfeso no tempo do Imperador Trajano (98-117).

Referências:

DONADEO, Madre Maria. O Ano litúrgico Bizantino, São Paulo: Ed Ave Maria.

São João, o Teólogo

santo e glorioso Apóstolo e Evangelista e amado amigo de Cristo, São João, o Teólogo, era filho de Zebedeu e Salomé, uma das filhas de São José, esposo de Maria. Nosso Senhor Jesus Cristo o chamou para ser um de Seus Apóstolos, juntamente com seu irmão mais velho, Tiago. Os dois irmãos foram convocados no Lago Genezaré (Mar da Galiléia), e deixaram sua família para seguir ao Senhor.

Nosso Salvador tinha grande amor pelo Apóstolo João por seu amor oferente e sua pureza de corpo e alma. Após seu chamado, o Apóstolo esteve com o Senhor em todos os momentos, e era um dos três Apóstolos mais próximos a Cristo - ele esteve presente quando Nosso Senhor ressuscitou a filha de Jairo, e foi testemunha de Sua Transfiguração no Monte Tabor.

Durante a Última Ceia, ele deitou sua cabeça no colo do Senhor, e perguntou-Lhe o nome do traidor. Após a prisão de Cristo no Jardim do Getsêmani, São João seguiu o Senhor até a corte dos sumos sacerdotes Anás e Caifás, testemunhou o interrogatório de seu Mestre e o seguiu até o Gólgota, com o coração pesaroso.

Ele permaneceu aos pés da Cruz junto com a Mãe de Jesus e o Senhor Crucificado lhes disse: “Mulher, eis aí teu filho”. O Senhor então lhe disse “Eis aí tua mãe” (Jo 19:26-27). Daquele momento em diante, São João, como um filho amoroso, cuidou da Santa Virgem Maria e a serviu até sua Dormição.

Após a Dormição da Mãe de Deus, o Santo Apóstolo João partiu para diversas cidades da Ásia Menor para pregar o Evangelho, levando com ele seu discípulo Prócoro. Quando estavam se dirigindo para Éfeso por mar, uma terrível tempestade afundou seu navio. Todos os viajantes conseguiram chegar em terra firme, exceto o Apóstolo, que afundara. Muito triste após a perda de seu guia e pai espiritual, Prócoro decidiu partir sozinho para Éfeso.

No décimo quarto dia de sua jornada pelo litoral, ele viu que o mar havia trazido um homem à praia. Ao se aproximar, Prócoro viu que se tratava do Apóstolo João, que fora mantido vivo pelo Senhor por catorze dias no mar. Então, mestre e discípulo partiram para Éfeso, onde o Apóstolo pregou incessantemente para os pagãos. Durante sua pregação ele fez inúmeros milagres, convertendo mais e mais pessoas a cada dia.

Naquele tempo, porém, o imperador Nero (56 - 68 d.C.) iniciara a perseguição aos cristãos. São João foi levado à Roma para ser julgado. Por professar sua fé em Jesus Cristo, ele foi condenado à morte por envenenamento, mas o Senhor o salvou - após beber um cálice de veneno mortal, nada lhe aconteceu. Ele também saiu ileso de um caldeirão de óleo fervente no qual ele fora jogado pelo torturador.

Após tudo isso, o Apóstolo foi exilado para a ilha de Patmos, onde viveu por muitos anos. Enquanto estava a caminho do local de exílio, São João fez vários milagres. Ao chegar na ilha, sua pregação e seus milagres atraíram os ilhéus, que foram convertidos pela luz da Boa Nova. Ele também expulsou os demônios dos templos pagãos e curou muitos enfermos.

Feiticeiros com poderes demoníacos se opuseram à pregação do Santo Apóstolo. Seu líder, um feiticeiro chamado Kinops, declarou que destruiria o Apóstolo. Mas o grande São João, pela graça de Deus, destruiu todos os ardis demoníacos de Kinops, e o arrogante feiticeiro se suicidou lançando-se ao mar.

Então, São João retirou-se com seu discípulo para uma colina desolada, jejuando por três dias. Durante uma de suas orações a terra tremeu e os céus trovejaram. Prócoro se atirou ao chão, assustado. O Apóstolo o ajudou a levantar-se, dizendo-lhe para escrever o que ele iria dizer. “Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor Deus, aquele que é, aquele era, e aquele que vem, o Todo-Poderoso” (Apocalipse 1:8), proclamou o Espírito de Deus através do Apóstolo João. E assim, no ano de 67 d.C., foi escrito o Livro das Revelações, também conhecido como “Apocalipse” do Santo Apóstolo João, o Teólogo. Esse livro fala sobre uma período de tribulação da Igreja e do fim do mundo.

Após seu longo exílio, São João ganhou a liberdade e retornou a Éfeso, onde continuou seu trabalho, instruindo os cristãos a terem cuidado com falsos profetas e seus ensinamentos errôneos. No ano de 95, o Apóstolo escreveu seu Evangelho em Éfeso.

Ele ensinava aos cristãos para amarem ao Senhor e uns aos outros, cumprindo desse modo os mandamentos de Cristo. A Igreja chama São João de “Apóstolo do Amor”, porque ele dizia constantemente que o homem não pode se aproximar de Deus sem amor.

Em suas três Epístolas, São João fala da importância do amor a Deus e ao próximo. Já em idade avançada, ele soube de um jovem que se perdera ao juntar-se a um grupo de bandoleiros, e decidiu então sair em busca do rapaz. Ao ver o Santo ancião, o jovem tentou fugir, mas o Apóstolo o alcançou. Ele prometeu ao jovem que seus pecados seriam perdoados se ele se arrependesse e não levasse sua alma à perdição. Movido pelo intenso amor do Ancião, o jovem bandido se arrependeu e deixou a vida de crimes.

São João viveu até os 100 anos, mais do que qualquer outro Apóstolo, e por muito tempo ele foi a única testemunha terrestre da vida terrena do Salvador. Quando chegou a hora de seu descanso, São João retirou-se para fora de Éfeso, acompanhado por seus discípulos e suas famílias. Ele pediu que lhes preparassem um túmulo em forma de cruz, onde ele se deitou, pedindo em seguida para que seus discípulos o enterrassem. Com muita tristeza e lágrimas nos olhos, os discípulos se despediram de seu querido mestre, e embora tristes, obedeceram suas ordens, envolvendo-o em um sudário e cobrindo-o com terra.

Após o enterro, outros discípulos vieram visitar à sepultura para se despedir. Ao abrir a cova, ela estava vazia.

A partir de então, a cada ano no dia 8 de maio, brotava do túmulo do Apóstolo uma fina areia, que curava as enfermidades dos fiéis. Por isso que a Igreja também celebra o milagre de São João no dia 8 de maio.

Nosso Senhor deu a seu amado discípulo João e a seu irmão, Tiago, o nome de “Filhos do Trovão”, pois o trovão é um terrível mensageiro em seu poder purificador do fogo celeste. E justamente por este motivo que o Salvador destacou o caráter exaltado, ígneo e sacrificial do amor cristão, cujo principal mensageiro foi o Apóstolo João.

A águia, símbolo da sublimidade de sua teologia é o símbolo iconográfico do Santo Evangelista João. São João é o único dentre os Apóstolos de Cristo que recebe o epíteto “Teólogo”, pois ele foi profeta dos misteriosos Julgamentos de Deus.


Referência:

Orthodox Church in America
Trad.: Ricardo Williams G. Santos

Voltar à página anterior Topo da página  
NEWSIgreja Ortodoxa • Patriarcado Ecumênico • ArquidioceseBiblioteca • Sinaxe • Calendário Litúrgico
Galeria de Fotos
• IconostaseLinks • Canto Bizantino • Synaxarion • Sophia • Oratório • Livro de Visitas