O pai de Juliano, idólatra, ocupava uma alta posição no Senado e sua mãe era cristã. Juliano amou tanto a cruz de Cristo que, aos 18 anos, diante do Pro cônsul Marciano, confessou corajosamente a sua fé em Cristo, sabendo que, por causa disso, poderia ser torturado. E assim foi. Tão logo São Juliano acabou de falar, o Pro cônsul, ordenou que ele fosse espancado e atirado numa cela. Depois disso, Marciano mandou que a mãe do santo fosse chamada e trazida para que visse o seu filho espancado e ferido e tentasse convencê-lo a abandonar a sua fé cristã. Pois, foi exatamente o contrário o que aconteceu: a mãe pediu-lhe para que se mantivesse firme em sua fé e, incentivando a que tudo suportasse por amor a Cristo, e se foi. Após alguns dias, Marciano novamente mandou que o santo fosse trazido à sua presença para verificar se havia mudado de opinião. Tendo recebido resposta negativa, ordenou imediatamente que Juliano fosse colocado dentro de um saco, com areia e serpentes venenosas, e jogado ao mar. E foi assim que São Juliano entregou a sua alma a Deus. «Feliz o homem que suporta a tentação. Porque, depois de sofrer a provação, receberá a coroa da vida que Deus prometeu aos que o amam». [Tg 1,12]


Tradução e publicação neste site
com permissão de
Ortodoxia.org
Trad.: Pe. André

 

Tags:

 

No comments

Be the first one to leave a comment.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager