November 1, 2014

10 - Outubro:

01 de Outubro: Santo Ananias, apóstolo [dos 70] (séc. I) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

02 de Outubro: São Cipriano, hieromártir († 304) e Santa Justina, virgem e mártir († 304) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

03 de Outubro: São Dionísio Areopagita, hieromártir († c.90) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

04 de Outubro: Santo (Abba) Amon, Padre do deserto -

segunda-feira, outubro 1, 2012

05 de Outubro: Santa Karitina, mártir († 304) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

06 de Outubro: São Tomé, apóstolo (séc. I) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

07 de Outubro: Santos Sérgio e Baco, mártires (†t 297/304) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

08 de Outubro: Santa Pelágia, a penitente (II metade do séc. V) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

09 de Outubro: São Tiago, filho de Alfeu, apóstolo (séc. I) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

10 de Outubro: Santos Eulâmpio e sua irmã Eulâmpia, mártires (início do séc. IV) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

11 de Outubro: São Filipe, um dos 7 diáconos, apóstolo [dos 70] (séc. 1) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

12 de Outubro: São Simeão (ou Simão), o Novo Teólogo († 1022) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

12 de Outubro: Santos Probo, Táracos e Andrônico, mártires († 304) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

13 de Outubro: Santos Carpos, bispo; Pápilos, diácono; Agatonica e Agatodoros, mártires († c.250) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

14 de Outubro: Santos Nazário, Gervásio, Protásio e Celso, mártires († c. 66) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

15 de Outubro: São Luciano, presbítero da Igreja de Antioquia, hieromártir († 312) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

16 de Outubro: São Longino Centurião, mártir (séc. I) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

17 de Outubro: Santo Oséias, profeta (séc. VIII a.C) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

18 de Outubro: São Lucas Evangelista -

segunda-feira, outubro 1, 2012

19 de Outubro: Santo Profeta Joel (séc. VI a.C) -

segunda-feira, outubro 1, 2012

05 de Julho: Santo Atanásio, o Athonita

s-athanasio-athonita

Santo Atanásio foi o organizador dos monastérios no Monte Athos (situado num prolongamento da Península Calcídica, da qual se desprendem três faixas montanhosas que adentram no Mar Egeu). Nasceu em Trebizonda, por volta do ano 920, filho de um Antioquino e recebeu no batismo o nome de Abraão. Fez seus estudos em Constantinopla, onde se tornou professor. Enquanto exercia nesta cidade o ofício de professor, conheceu São Miguel Maleinos e seu sobrinho Nicéforo Focas. Este último tornou-se, mais tarde, seu protetor, ao ocupar o trono imperial. Abraão tomou o hábito no monastério que São Miguel dirigia, em Kimina de Bitínia, recebendo o nome de Atanásio. Ali viveu até o ano 958, mais ou menos. O monastério de Kimina era uma «Laura», isto é, uma série de celas isoladas, construídas em torno de uma igreja. Quando morreu Miguel Maleinos, Atanásio, prevendo que seria eleito abade, fugiu para o Monte Athos. Ali Deus reservava para ele uma responsabilidade ainda mais pesada que o ofício de abade do qual tinha fugido. Vestido como um rude camponês e com o nome de Doroteo, Santo Atanásio se retirou para uma cela na proximidade de Karyes. Mas seu amigo Nicéforo Focas não demorou a descobri-lo. O imperador Nicéforo, que estava prestes a empreender uma expedição contra os sarracenos, Atanásio pediu a Atanásio para acompanhá-lo nesta viagem e que o apoiasse nesta empreitada com a sua benção e orações. Atanásio, vencendo sua resistência em regressar ao mundo, acompanhou o seu amigo nesta viagem. Após a vitória da expedição, Atanásio pediu permissão ao imperador para retirar-se novamente ao Monte Athos. Nicéforo Focas concordou, mas não sem que, antes aceitasse uma importante soma que lhe deu para ajudá-lo na fundação de um monastério. O santo construiu o primeiro monastério, propriamente dito, em Monte Athos, no início do ano 961 e, dois anos mais tarde, a Igreja. Santo Atanásio dedicou o monastério à Santíssima Mãe de Deus; atualmente é conhecido como «Monastério de Santo Atanásio», ou, simplesmente, «Grande Laura», isto é, «o Monastério». Receando que o imperador o chamasse novamente à corte, Santo Atanásio se refugiou em Chipre para escapar das honras e títulos. Mas Focas novamente descobriu seu esconderijo e lhe disse para voltar a governar em paz o seu monastério, dando-lhe mais dinheiro para construir um porto em Athos. Santo Atanásio enfrentou muitas dificuldades com os solitários que, ocupando o Monte Athos há mais tempo, consideravam que a precedência lhes dava certos direitos de ocupação; tais solitários viam com «maus olhos» a construção de monastérios, igrejas e portos, e se opunham às regras que Santo Atanásio queria lhes impor. Por duas vezes o santo esteve prestes a ser assassinado. Sabendo que a violência é capaz de corromper a melhor das causas, o imperador João Tzimesces interveio, confirmou as doações que Nicéforo Focas havia feito a Atanásio, proibiu a oposição ao Santo e reconheceu a sua autoridade sobre todo o território e habitantes do Monte Athos. Desta forma, Santo Atanásio foi constituído o superior geral de cinqüenta e oito comunidades de eremitas e monges, além dos monastérios de Ivirón, Vatopedi e Esfigmenou, que ele mesmo havia fundado e que são conservados até os dias atuais. Morreu por volta do ano 1000, vítima do desabamento da cúpula da igreja onde ele estava trabalhando com cinco outros monges.

Tradução e publicação neste site
com permissão de: Ortodoxia.org
Trad.: Pe. André

Comments are closed.