O profeta Elias nasceu em Tisbé, sudeste da Terra Santa, e foi contemporâneo do rei Acab e da rainha Jezebel. Morreu depois deles, julgando-se que ainda vivia no ano 850 antes de Cristo. Era da Tribo dos Levitas, da geração de Aarão. Algum tempo antes de seu nascimento, o reino Hebreu se dividiu em duas partes: o Reino Judeu e o Israelita. O primeiro ficou com as Tribos de Judas e Benjamim, sendo a sua capital, a cidade de Jerusalém. Ocupava a região do meio-oriente, da Terra Santa. O reino de Israel estava na região setentrional e ficou com as outras 10 tribos, sendo sua capital a cidade de Samaria.

Nos tempos do Profeta Elias, o povo hebreu que habitava o reino de Israel começou a se distanciar da sua fé e a venerar os ídolos pagãos, como Baal entre outros mais. Durante o reinado do rei israelita Ajab (877-854 antes de Cristo), Elias se viu chamado a servir a Deus como seu Profeta, convertendo-se num fervoroso defensor da verdadeira fé.

Assim, o Profeta Elias buscou convencer o ímpio rei Ajab a renegar os ídolos e aderir ao verdadeiro Deus, mas o rei não quis ouvi-lo. O profeta então predisse que, durante três anos, Israel não veria nem a chuva nem o orvalho, e que a seca e a fome se abateriam sobre Israel. Retirou-se depois para um lugar afastados nas proximidades de um riacho e, neste lugar, era alimentado por um corvo. Ao cabo de um ano, o arroio secou e Elias se dirigiu a Serepta de Sidón, ao norte da Terra Santa lá se estabelecendo na casa de uma pobre viúva. Mesmo carecendo de alimentos, com sua última porção de azeite e farinha preparou-lhe uma refeição. Depois disso, graças às orações que o Profeta dirigiu a Deus, nunca mais faltaram na casa da pobre viúva a farinha e o azeite e, por muito tempo, pode alimentar seu filho e seu hóspede. Quando a viúva de adoeceu repentinamente e faleceu, o Profeta a trouxe de volta à vida (3Reis 17).

No reino de Israel, o principal local de adoração de Baal era o Monte Carmelo. Ao final de três anos e meio do início da grande seca, o Profeta Elias reuniu ali o rei Ajab, seus sacerdotes e o povo e disse-lhes: «Até quando ficareis mancando nas duas pernas? Se o Senhor é Deus, sigam a Ele, e se é Baal, então sigam Baal! Então, para que todos soubessem quem é o verdadeiro Deus, Elias propôs erguer dois altares, um para cada um deles, e que o novilho sacrificado fosse posto sobre eles, mas que o fogo não fosse aceso. Invocaria então, cada qual, seu Deus, para que enviasse do céu o fogo para acender as lenhas. O Deus invocado no altar em que o fogo fosse aceso seria adorado como Deus Verdadeiro. E todos concordaram com a proposta do Profeta. Primeiro, os sacerdotes de Baal invocaram seu deus, pedindo que lhes mandasse o fogo. Gritavam e dançavam em torno do altar durante um dia inteiro. Elias debochava deles dizendo que seu deus estava dormindo, e que deveriam gritar ainda mais forte. Ao anoitecer, Elias mandou que se reunissem todos diante de seu altar. Seguindo suas orientações, cavaram em torno do altar um buraco e encheram de água, molhando completamente a lenha a lenha preparada para o fogo. Assim foi feito para que ninguém tivesse qualquer dúvida do que aconteceria. Logo, o Profeta começou a rezar: «Escuta-me, Senhor, e faze que este povo também saiba que só Tu és o único Deus em Israel, e que eu sou teu servo». E desceu do céu um fogo, queimando toda lenha, as pedras do altar e o pó em torno do altar, fazendo evaporar toda a água que estavam na vala aberta em torno do altar. Ao presenciar o que acontecera, o povo aterrorizado caiu de joelhos e exclamavam: «O Senhor é Deus! O Senhor é Deus! Depois, capturaram todos os sacerdotes de Baal e os mataram, pois que, durante tanto anos, foram por eles induzidos ao engano. Pressionado pelo que havia acontecido, o rei Ajab e seu povo começaram a descer do monte. Então o céu se cobriu de nuvens e a chuva voltou, a primeira chuva depois de três anos de seca. Assim, muitos israelitas se converteram a Deus.

Depois deste acontecimento, Jezebel, a esposa de Ajab, começou a perseguir o Profeta que teve de esconder-se no deserto e, finalmente, chegou ao monte Horeb, próximo do Sinai. Neste lugar Elias teve uma visão; primeiro sentiu uma brisa suave, e logo viu Deus que lhe ordenou que ungisse Eliseu, que o sucederia como profeta (3Rs 19). Sua vida, como Profeta, teve um fim extraordinário: foi transportado ao céu numa carruagem de fogo (4Rs 2,11) na presença do profeta Eliseu que recebeu a capa do Profeta Elias com a qual realizou seu primeiro milagre. E, Elias, como o seu ancestral Henoc, foi conduzido em vida, alma e corpo, para o céu (Gn 5,24). Diz-se que, tanto o profeta Elias como Henoc retornarão à terra antes do final do mundo, para acusar o anti-Cristo, e serão martirizados em suas mãos.

Elias, com seus grandes feitos, ajudou no estabelecimento da verdadeira fé, junto ao povo Israelita, destruindo a idolatria e preparando, portanto, a vinda de nosso Salvador ao mundo. A sua fervorosa defesa da fé, a sua absoluta obediência à vontade de Deus, a pureza e castidade de sua vida, a dedicação à oração e a contemplação dos mistérios divinos, são qualidades que distinguem este grande Profeta. Na Sagrada Escritura o profeta Elias aparece como o homem que caminha sempre na presença de Deus. O seu lema era «ardo de zelo pelo Senhor Deus dos exércitos». Seus contemporâneos o chamavam «O homem de Deus». «Então surgiu um profeta como um fogo cujas palavras era um forno aceso» (Ecl 48,1).

Leia mais sobre o Profeta Santo Elias AQUI.

Tradução e publicação neste site
com permissão de:
Ortodoxia.org
Trad.: pe. André

Santo Elias, profeta, séc. IX a.C.

[singlepic id=251 w=320 h=240 float=left]O profeta Elias nasceu em Tisbé e foi contemporâneo do rei Acab e da rainha Jezabel. E morreu depois deles, julgando-se que ainda vivia no ano 850 antes de Cristo. Mas pouco mais se sabe. A sua memória perdurou como a de um homem de Deus.

«Então surgiu um profeta como um fogo cujas palavras era um forno aceso» (Ecle. 48,1). O profeta é Elias. A Ordem do Carmo reconhece-o como seu pai e inspirador espiritual. Na verdade o primeiro grupo de Carmelitas ao fixar-se no Monte Carmelo escolheu viver no lugar junto à fonte de Elias. Este lugar forneceu o nome ao grupo – Carmelitas – e marcou profundamente o seu carisma. Elias, porém não foi um legislador ou organizador, não foi um chefe com inclinações para estruturar fosse o que fosse. Não escreveu nada sobre oração, não o vemos a passar longas horas em oração (embora certamente as tenha passado). Porém, o seu amor aos lugares solitários fez com que os habitasse e os enchesse de sentido com a sua presença de homem de Deus. No Carmelo um homem de Deus – Elias –, viveu apenas para Deus porque a única ocupação que vale a pena é contemplar a beleza de Deus.

Para o peregrino que visitava a Terra Santa, o Monte Carmelo era o lugar onde Elias vivera. Elias escolhera a Montanha do Carmelo para, no silêncio e na solidão, saborear a presença de Deus; aí levou uma vida eremítica e travou uma grande e decisivo duelo contra os profetas de Baal, que levavam o povo de Israel à idolatria. No ponto mais alto do monte Elias venceu o desafio e provou aos israelitas (rei incluído) que Jahvé, o Senhor Deus, é o único e verdadeiro Deus.

Elias é líder espiritual, mas essencialmente é um profeta e um homem de Deus. As suas primeiras palavras são como que um grito de guerra que saem da sua boca para afirmar: «Vive Deus!». Ao escolher viver no Monte Carmelo, nas proximidades da fonte de Elias, os Carmelitas exprimiam o desejo de imitar o Profeta, pois também eles desejam adorar o único Deus verdadeiro e mostrá-lo ao povo. O nome Elias significa «Deus é meu o Senho». A sua fé no único Deus – fé amadurecida na provação – impressionou muitíssimas gerações de homens e mulheres crentes. Na Sagrada Escritura o profeta Elias aparece como o homem que caminha sempre na presença de Deus…

O seu lema era «ardo de zelo pelo Senhor Deus dos exércitos».

 

Tags:

 

No comments

Be the first one to leave a comment.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager