A segunda perseguição persa teve início por volta do ano 420, devido ao excessivo zelo do bispo Abdias. A principal vítima desta perseguição foi São Tiago que, nesta época, era bastante próximo do rei Yezdigerdo I. Quando o tal príncipe empreendeu um movimento de perseguição aos cristãos, São Tiago não tendo sido suficientemente forte para romper sua amizade, acabou por dissimular ou abandonar sua fé no Deus Único e verdadeiro que até então professava abertamente, o que causou a aflição de sua mãe e de sua esposa. Quando o rei Yezdigerdo veio a falecer, mãe e esposa acolheram São Tiago, não sem antes, por carta, condenar a covardia de sua conduta. Muito impressionado com esta carta, São Tiago começou a compreender melhor a sua falta, deixando de freqüentar a corte e renunciando a todas as honras que havia antes procurado e manifestando publicamente o seu arrependimento e sua fé cristã. Bahram reprovou sua ingratidão, lembrando-lhe de todas as honras que seu pai lhe havia conferido. São Tiago respondeu serenamente: «E onde está agora? O que é feito dele?» Tal resposta aborreceu Bahram que ameaçou São Tiago de submetê-lo a uma morte lenta. Ao que o santo respondeu: «Qualquer que seja o tipo de morte, não passará de um sonho. Queira Deus que eu possa morrer como os justos». Bahram contestou: «A morte não é um sonho, é o terror dos reis». Disse São Tiago: «A morte assombra aos reis e a todos quanto não conhecem a Deus, pois a esperança dos maus é efêmera». Replicou o rei: «Tu, que não adoras o sol, nem a lua, nem o fogo, nem a água, que são todos emanações de Deus, nos chamas a nós de malvados?» E São Tiago respondeu: «Eu não te acuso, mas afirmo que dás o nome de Deus às criaturas».

O conselho real decidiu então que, se São Tiago não renunciasse sua fé em Cristo, seria enforcado e os membros de seu corpo dilacerados. E a cidade inteira acorreu para presenciar esta nova forma de tortura. Os cristãos começaram então a rezar pedindo a Deus que Tiago perseverasse em sua fé. Os carrascos tomaram bruscamente o santo pelos braços como se quisessem desconjuntá-los. Neste gesto já sinalizavam o tipo de morte que esperava por Tiago. Exortaram-no então mais uma vez a abjurar a sua fé e renovar sua obediência ao rei, evitando assim o castigo. Chegaram a lhe propor que fingisse ao menos momentaneamente tal postura e, depois, teria liberdade para praticar a sua religião. São Tiago respondeu: «Esta morte que vos parece tão terrível, é um preço muito baixo para comprar a vida eterna». Em seguida, voltando-se para os carrascos, lhes disse: «O que estão esperando? Comecem logo a tarefa de vocês!» E, quando os carrascos lhe cortaram um dos dedos de seu pé direito, o mártir disse em voz alta: «Salvador dos cristãos, recebe o primeiro ramo desta árvore. A árvore irá apodrecer, mas novamente surgirão os brotos e ela se cobrirá de glória. A videira morre durante o inverno, porém, surge renovada na primavera. Assim também, o corpo reflorescerá depois de ser podado. E quando lhe cortaram o primeiro dedo de uma de suas mãos disse: «Meu coração se rejubila no Senhor, e minha alma se enche de alegria em Deus meu Salvador». E assim seguiu louvando a Deus conforme iam lhe cortando os dedos. E quando já não lhe restava nenhum dos dedos das mãos e dos pés, disse aos carrascos: «Já cortaste os pequenos galhos, corte agora os ramos». E passaram a cortar-lhes os membros, parte por parte. Quando já não lhe restava senão o tronco, Santiago ainda louvava a Deus, até que um dos soldados lhe decapitou.

Tradução e publicação neste site
com permissão de
Ortodoxia.org
Trad.: Pe. André

 

Tags:

 

No comments

Be the first one to leave a comment.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager