Ignora-se o que tenha feito São Cirilo antes de ser bispo de Jerusalém. Sabe-se, no entanto, que Deus o honrou no início de seu episcopado com uma maravilha que causou grande admiração em todo império romano: no dia 7 de maio do ano 351 apareceu no ar uma cruz luminosa que, nem mesmo a luz do sul podia obscurecê-la. Estendia-se do Monte Calvário ao Monte das Oliveiras, distante um do outro cerca de 3 quilômetros, com a mesma largura. Todos os que se encontravam em Jerusalém, cristãos e pagãos, testemunharam este milagroso evento que começou às 9h da manhã e durou durante várias horas. Cirilo relatou este acontecimento ao imperador Constantino numa carta que está conservada ainda hoje. Ignora-se o que São Cirilo tenha feito desde esta aparição até o fim do ano 357, quando foi deposto em razão de intrigas e ódio de Acácio, bispo de Cesaréia, com quem estava em questão, já que era acusado de pretender usurpar os direitos àquela Metrópole. Esta controvérsia foi agravada porque Cirilo representava uma forte oposição à heresia ariana, apoiada por Acácio, e defender com determinação a ortodoxia da doutrina cristã. Acácio era um homem inquieto. Freqüentemente citava São Cirilo em seus julgamentos, mas o bispo de Jerusalém não comparecia, já que não o reconhecia como seu superior. Mas Acácio desfrutava de grande crédito na corte e era apoiado pelos grandes e pelos prelados que pensavam como ele. Assim, conseguiu que São Cirilo fosse deposto por ter se recusado a comparecer e responder as acusações apresentadas contra ele. Uma destas acusações sustentava que Cirilo havia vendido os tesouros da Igreja. É verdade que, estando o território de Jerusalém num período de grandes dificuldades, o povo padecendo de fome recorria a São Cirilo pedindo-lhe ajuda e, como não dispusesse de dinheiro, vendia alguns vasos sagrados e ícones para poder atender estas necessidades básicas de seu povo. Cirilo não se preocupou com esta acusação por considerá-la injusta e em desacordo com as regras, apelando a outro tribunal e enviando a ata desta apelação aos que o haviam deposto. Tendo se reunido os bispos no Concílio de Selêucia em setembro de 359, Cirilo se apresentou e pediu para que a justiça fosse feita. Foi ouvido favoravelmente e restabelecido na sé de Jerusalém, enquanto Acácio foi deposto. Mas, um ano depois, em 360, Acácio, que não havia perdido o seu crédito, voltou-se novamente contra São Cirilo e conseguiu depô-lo num arranjo de intrigas. O Santo Bispo morreu no ano 386, quando já contava 35 anos de seu episcopado.

Fonte: www.ortodoxia.org
Tradução: Pe. André Sperandio

II – São Cirilo nasceu em 315 e foi educado em Jerusalém. Em 345 foi ordenado sacerdote e, em 348, bispo de Jerusalém. Foi um ardoroso defensor da fé contra os ataques do arianismo. Por três vezes foi exilado pelos imperadores Constâncio e Valente. Participou oo II Concílio Ecumênico de Constantinopla. O seu último exílio foi o mais duro e cruel, obrigando-o, durante onze anos, a vaguear pelas cidades da Ásia e outras regiões do Oriente. Dos 27 anos em que esteve à frente da Igreja de Jerusalém, 16 anos passou ele no exílio. Deixou escrito as Catequeses, em que expõe a verdadeira doutrina da fé e os ensinamentos da Sagrada Escritura, designadamente distinguindo os textos canónicos dos apócrifos. Sobre a Eucaristia, ele afirmava: “Sob a forma de pão é o corpo que te é dado e, sob a forma de vinho, o sangue; de tal maneira que, ao receberes o corpo e sangue de Cristo, te transformas, com ele, num só corpo e num só sangue”. [Fonte: EAQ]

 

Tags:

 

No comments

Be the first one to leave a comment.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager