São Basílio iniciou seu ministério episcopal em Mourom, uma das mais antigas cidades da Rússia. Levava uma vida irrepreensível, edificando espiritualmente seus fiéis pelo exemplo de uma vida virtuosa. Contudo, foi injustamente acusado de levar uma vida de devassidão e algumas pessoas decidiram puni-lo e, antes mesmo de submetê-lo a um tribunal eclesiástico. Certo dia, foi cruelmente perseguido e ameaçado de morte pela multidão que se deixou seduzir por falsas insinuações do maligno. Durante toda a noite São Basílio passou em vigília em sua capela. Na manhã do dia seguinte dirigiu-se a Catedral da Anunciação onde orou fervorosamente diante do Ícone da Mãe de Deus trazido de Kiev pelo príncipe Constantino, o iluminador de Mourom. Pondo na Santíssima Virgem toda a sua esperança, tomou o ícone em seus braços, dirigindo-se rapidamente ao Rio Oka, onde seus perseguidores o aguardavam prontos para atacá-lo. O santo, tendo o ícone em suas mãos, estendeu sua mandya, estendeu sobre as águas como se fosse uma balsa, e sobre ela navegou rio adentro contra a corrente. Este milagre assombrou os habitantes de Muron que, em lágrimas, exclamaram: «Ó Deus do Bispo Basílio, perdoe estes teus servos pecadores». Pediram então a São Basílio que ficasse em sua sede e, desde então, o Bispado de Muron foi transferido para Ryazan, ficando sob a proteção do ícone da Santíssima Virgem que passou a ser venerado na Catedral. Depois de viver alguns anos em Ryazan, São Basílio teve novamente que fugir para Pereyaslav por causa da invasão dos tártaros. Lá ele adormeceu em paz no ano de 1295. Em 10 de junho de 1609, seus restos mortais foram descobertos incorruptos.

Trad.: Pe. André Sperandio

 

Tags:

 

No comments

Be the first one to leave a comment.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager